Últimas

Novo decreto proíbe consumo de bebidas alcoólicas; estabelecimentos poderão ser interditados em Ji-Paraná


O Prefeito Municipal, Marcito Pinto, publicou hoje (17), novo decreto municipal, proibindo o consumo de bebidas alcoólicas em bares, lanchonetes, lojas de conveniências, restaurantes e estabelecimentos similares na cidade de Ji-Paraná.

Os estabelecimentos que descumprirem a norma terão como penalidade a interdição com a suspensão do Alvará de Funcionamento por tempo indeterminado. A proibição expressa pelo decreto nº 12833/GAB/PMJP/2020, será fiscalizada pelos Fiscais Sanitários e pela Polícia Militar em ações conjuntas.

O objetivo da medida é evitar as aglomerações e contribuir para frear a disseminação do vírus, já que o número de casos na cidade aumentou consideravelmente nas últimas semanas. Conforme os números repassados pelo Comitê Municipal de Enfrentamento e Prevenção ao Coronavírus, a cidade registrou no último dia 16 de junho, 387 casos suspeitos e 302 casos confirmados de Covid-19.

O Prefeito Municipal, Marcito Pinto, não descartou a possibilidade de adoção de medidas ainda mais severas, caso o número de infectados continue crescendo. “É importante que a população cumpra as determinações e colabore, seguindo as orientações de combate ao coronavírus. Caso contrário, teremos que restringir e tomar medidas ainda mais enérgicas para conter o contágio”, ressaltou

O Prefeito citou como exemplo as restrições impostas aos espaços públicos e de convivência comum, como o Beira Rio Cultural, Cedel BNH e a Praça Jardim dos Migrantes. “Esses locais estão liberados pelo decreto exclusivamente para prática de caminhadas, obrigatoriamente com o uso de máscaras. Caso essas recomendações não sejam seguidas esses locais serão interditados”, anunciou.

A diretora da vigilância Sanitária, Ana Maria, explicou que a fiscalização irá agir com rigidez contra os estabelecimentos que descumprirem as determinações. “Estamos entrando em um momento bastante delicado nesta pandemia, com os casos aumentando exponencialmente. O poder público estará cumprindo seu papel, agindo cada vez com mais rigor. Por isso é importante que a sociedade também cumpra seu papel, pois hoje a tendência é termos medidas ainda mais restritivas”, ressaltou.

Assessoria