Últimas

Secretaria de Finanças estará presente na 8ª edição da Rondônia Rural Show

A Secretaria Estadual de Finanças (Sefin) vai participar pela segunda vez da maior feira de agronegócios da região Norte, a Rondônia Rural Show, realizada anualmente pelo Governo do Estado. Segundo o coordenador da Receita Estadual, Antônio Carlos Alencar, no estande da secretaria os técnicos da área estarão recebendo os contribuintes, principalmente os produtores rurais, com orientações sobre a regularização cadastral.

A gerente de Arrecadação, Darlene Amaral, explica que uma equipe da gerência estará no local fazendo todo o atendimento. “Na verdade nós também vamos ensiná-los a consultar a legislação, conhecer todos os aspectos relacionados às suas atividades, e promover o contato bem próximo, que às vezes não dá tempo de acontecer nas Agências de Rendas”, diz.

Darlene conta que haverá integração dos servidores da agência de Ji-Paraná, onde a feira acontece nos dias 22 a 25 de maio, em sua 8ª edição. “Vamos unir os funcionários de Porto Velho e Ji-Paraná, com uma boa estrutura para oferecer o melhor atendimento aos visitantes da feira”.

“O que a gente quer este ano é fazer uma métrica de quanto é o resultado de negócios na feira, para que tenhamos números que mostrem o quanto um evento organizado como esse move a economia”, disse o coordenador da Receita Estadual, Antônio Carlos Alencar.

O coordenador da Receita Estadual acrescenta que uma equipe da Coordenadoria Consultiva de Incentivo Tributário (Consit) também estará no estande. “O que a gente quer este ano é fazer uma métrica de quanto é o resultado de negócios na feira, para que tenhamos números que mostrem o quanto um evento organizado com esse move na economia, tanto na aquisição de implementos da pecuária, da agricultura, e assim dimensionar o impacto não só durante a feira, mas no decorrer do ano, pós evento”, revela Antônio Carlos.

A postura da Sefin na participação do evento quer deixar claro aos contribuintes que “a finalidade da secretaria não é só cobrar impostos e multar empresários, mas sim facilitar o ambiente de negócios. O grande mote desse momento que estamos vivendo é deixar o mais previsível possível a atividade para que o contribuinte não seja surpreendido com ações fiscais”, completa o coordenador.

Darlene Amaral enfatiza a importância da parceria. “É fundamental o produtor entender que determinadas exigências, ao invés de ser um ponto negativo para ele, agrega valor ao negócio dele. É preciso ter essa percepção de que estar regular é bom para a atividade, gera valor e evita problemas com o fisco”, conclui.

Texto: Vanessa Farias / Fotos: Jeferson Mota / Secom - Governo de Rondônia