Últimas

Hospital Regional e Samu, nas reivindicações do PPA em Ji-Paraná

A coleta de opiniões populares durante realização do Plano Plurianual (PPA) para os exercícios de 2020 a 2023 em Ji-Paraná fortaleceram pontos estratégicos em duas áreas críticas de qualquer administração pública: a saúde e educação. Segurança, agronegócios e meio ambiente foram outras áreas dos 11 eixos apresentados no PPA que tiveram defesas contundentes nas reivindicações.

Os principais pleitos foram a construção de um hospital regional e o reforço da segurança nas escolas públicas. O PPA foi realizado na tarde de sexta-feira (12) na escola estadual Jovem Gonçalves Vilela, obedecendo ao cronograma da Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Gestão (Sepog), na realização de eventos programados para coletas de reivindicações em dez cidades.

Dentre as mais variadas sugestões populares nos grupos de discussões na área da saúde, a implantação do hospital regional foi o ápice das discussões. A proposta é que o governo estadual contemple a cidade com uma unidade do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e outra hospitalar para tratamentos de alta complexidade. Incluiu-se na proposta, a implantação de leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) adulto e neonatal.

Ji-Paraná dispõe apenas de seis leitos de UTI adulto custeado pelo governo por meio de convênio com uma unidade hospitalar privada. Os recém-nascidos que atualmente necessitam de cuidados intensivos precisam ser removidos a outras cidades. Na maior cidade da região central do estado o atendimento médico atinge uma população de aproximadamente 600 mil habitantes de 17 cidades do entorno.

A vereadora Cláudia de Jesus anunciou que a bancada rondoniense em Brasília, por meio de emenda impositiva, já assegurou R$ 20 milhões para a construção do hospital regional em Ji-Paraná, mas que será necessário o apoio do governo estadual em consolidar o projeto que beira os R$ 60 milhões.

CONSTRUÇÃO DO HOSPITAL REGIONAL E IMPLANTAÇÃO DO SAMU EM JI-PARANÁ FORAM FIRMEMENTE DEFENDIDAS NO GRUPO DE DEBATE DA ÁREA DA SAÚDE

Na educação, um dos pontos cruciais das discussões foi o retorno da segurança armada nos colégios. Assustados com o massacre ocorrido no mês passado na escola Raul Brasil, em Suzano (SP), e que resultou em 10 mortes e 11 feridos, os participantes do grupo de educação no PPA reascenderam a discussão sobre a necessidade de maior vigilância nas escolas públicas, especialmente as situadas em localidades onde a incidência de violência assusta.

Além da segurança armada, foi pedido também detector de metais nas escolas como medida de maior segurança. A vigilância nas escolas estaduais é feita por sistema de câmera de vídeo. Implementar ações de formação e capacitação profissional também entram na lista da educação.

No eixo da segurança pública, os participantes elencaram várias necessidades estruturais das polícias. Dentre elas, as principais, estão a criação do Corpo de Bombeiros em Presidente Médici; criação de delegacias especializadas em Ji-Paraná, como Patrimônio,  Departamento de Narcóticos (Denarc) e Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco); construção de instalações físicas e respectivos aportes financeiros para a Polícia Técnico-Científico (Politec) e Instituto Médico Legal (IML).

Considerada a capital do agronegócio, para Ji-Paraná e região central, foram anotadas várias sugestões de incentivos e implementos para o fortalecimento do setor. A criação de programa de mecanização agrícola, fortalecimento do pescado e ampliação e melhoramento da cadeia produtiva do leite estão entre os pedidos mais relevantes para o setor.

“Entendemos, com base na vivência diária junto ao homem do campo, que é necessário ampliar o programa de melhoramento genético do rebanho e o manejo nutricional para que a produtividade de leite aumente e os custos ao produtor rural diminuam”, explicou Amâncio Esteves Neto.

A recuperação de matas ciliares e preservação e restauração de nascentes foram os pontos altos das discussões no eixo do Meio Ambiente. “As matas ciliares estão cada vez mais degradadas e as nascentes inexistindo. Precisamos imediatamente de um planejamento específico para que as próximas gerações não fiquem sem água”, pontuou o gestor ambiental Gilson Prates.

Programas para restauração de mata ciliar e de nascentes estão entre os pontos reivindicados no meio ambiente

O PPA é o instrumento de planejamento que aponta as diretrizes e metas do governo para serem realizadas no período de quatro anos. Este foi o momento de a população manifestar e apelar por melhorias em todas as áreas do serviço público estadual visando a aplicação do recurso público. “Fizemos nossa parte, que foi promover o chamamento público e convidar a sociedade para participar do PPA”, destacou na abertura da solenidade, o secretário regional de governo, Everton Esteves.

O encontro com técnicos do governo e representantes da sociedade civil organizada dos municípios de Ji-Paraná, Presidente Médici, Alvorada do Oeste, Urupá e Teixeirópolis, serviu para nortear as ações que o governo estadual deve implementar até o ano de 2023 em todas as pastas administrativas.

Paulo Sérgio/Secom/Gov-RO